Voltar

Promessa no taekwondo, Aline quer repetir feitos em 2018

Lutadora de 21 anos surpreendeu em seu primeiro ano no Sport com inúmeras conquistas, inclusive nacionais

Aline almeja ainda mais conquistas para este ano. (Foto: Anderson Freire/Sport Club do Recife)

Seis medalhas fizeram de 2017 um ano pra ficar guardado na memória de Aline Ferreira, de 21, promessa do taekwondo do Sport. Na temporada passada, a sua primeira com a camisa rubro-negra, a lutadora surpreendeu com grandes conquistas: ouro no Campeonato Pernambucano, na Copa Pernambuco e na Copa do Brasil; prata nos Jogos Universitários Brasileiro; e bronze no Brasileiro.

Essas conquistas se tornaram degraus rumo a sonhos ainda maiores e ajudam a escrever suas resoluções para 2018. “Meus objetivos principais para 2018 são disputar torneios pela Seleção e conquistar o Campeonato Brasileiro, que é uma competição que almejo desde que comecei a treinar”, disse a rubro-negra, que ficou em segundo lugar no Nacional em 2016 e em terceiro no ano passado. “Participar de mais competições internacionais é algo que espero que aconteça também”, acrescentou.

Representar o Leão por todo o País é motivo de orgulho para Aline e também para o Clube, que tem a oportunidade de lapidar um jovem talento. O treinador Leonardo Soares é um dos que acompanham os passos da atleta desde que ela chegou à Ilha do Retiro. “Ela é uma atleta exemplar, dedicada e comprometida com seus objetivos. Ela quando quer vai atrás e as coisas acontecem. Antes mesmo de entrar em nossa equipe, ela era um exemplo de dedicação”, afirmou.

FOCO DUPLO

Aline se divide entre uma graduação em nutrição e o esporte, precisando se dedicar 100% aos dois. Tarefa complicada que requer muita dedicação e esforço da atleta. “Uma área acaba complementando a outra porque a nutrição é um conhecimento a mais sobre como influenciar positivamente no meu desempenho como atleta. A rotina é um pouco complicada porque é difícil conciliar as duas coisas. As duas precisam de atenção e dedicação e dou meu máximo em cada uma. São duas boas experiências”, disse Aline, que tem amplo apoio familiar nas duas carreiras.

“É um grande apoio que recebo dos meus pais e meus familiares para continuar em busca dos meus sonhos. O taekwondo também é um esporte caro e sem eles eu não estaria em lugar nenhum”, pontuou.

publicidade
OlímpicoSporttaekwondo
Compartilhar Tweetar